Oxigenoterapia hiperbárica é uma modalidade terapêutica na qual o paciente respira oxigênio puro (100%), enquanto é submetido a uma pressão 2 a 3 vezes a pressão atmosférica ao nível do mar, no interior de uma câmara hiperbárica.

Seus principais benefícios são:

  • Efeito bactericida – inibe a proliferação de bactérias.
  • Efeito vasoconstritor – útil no tratamento de queimaduras extensas.
  • Efeito cicatrizante – atua na cicatrização de lesões infectadas, úlceras por pressão e em enxertos cutâneos.
  • Efeito ligado à compressão – o aumento da pressão reduz o volume das bolhas nos casos de embolia gasosa e em acidentes de mergulho.

As principais indicações terapêuticas para este tipo de tratamento são:

  • Pacientes com doença descompressiva.
  • Pacientes com embolia traumática pelo ar.
  • Pacientes com embolia gasosa.
  • Pacientes com envenenamento por CO ou inalação de fumaça.
  • Pacientes com envenenamento por gás cianídrico/sulfídrico.
  • Pacientes com gangrena gasosa.
  • Pacientes com síndrome de Fournier, com classificação de gravidade III ou IV.
  • Pacientes com fascites, celulites ou miosites necrotizantes (inclui infecção de sítio cirúrgico), com classificação de gravidade II, III ou IV.
  • Pacientes com isquemias agudas traumáticas, lesão por esmagamento, síndrome compartimental ou reimplantação de extremidades amputadas, com classificação de gravidade II, III ou IV.
  • Pacientes em sepse, choque séptico ou insuficiências orgânicas devido a vasculites agudas de etiologia alérgica, medicamentosa ou por toxinas biológicas.
  • Vasculites agudas de etiologia alérgica, medicamentosa ou por toxinas biológicas – (aracnídeos, ofídios e insetos).
  • Queimaduras térmicas e elétricas.
  • Lesões refratárias úlceras de pele, pés diabéticos, escaras de decúbito, úlceras por vasculite autoimune e deiscência de suturas.
  • Lesões por radiação radiodermite, osteoradionecrose e lesões actínicas de mucosa.
  • Osteomielites.
  • Retalhos ou enxertos comprometidos ou de risco.
  • Anemia aguda nos casos de impossibilidade de transfusão sanguínea.

Para obter mais informações sobre o tratamento, agende uma consulta com de um nossos especialistas.

Fonte: GMESP